16 abril 2012

Literatura, leitura e cultura em tempos digitais (para professores)


Agradeço a oportunidade de expor e dialogar com vocês sobre assuntos que me interessam muito e que envolvem o meu dia a dia nos últimos sete anos.

Pra começar, tenho que deixar claro que não falo como um especialista, nem como autoridade sobre o assunto. Sou movido pela minha curiosidade de poeta e de leitor que me fez correr e comprar o meu primeiro computador logo que me foi possível financeiramente, em 1999.

Sempre fui aberto a novidades. E assim foi com o computador pessoal. De lá para cá, por uma série de contingências e oportunidades práticas me inseri de cabeça no olho do furacão.

Em pouco tempo, estava editando sites relevantes de Literatura. O site CAPITU e, posteriomente, meu próprio site, o CRONÓPIOS, de onde saí em 2009 e que acabou se tornando referência de literatura contemporânea na internet.

Este ano de 2012, montei outro site dedicado a circulação e divulgação da literatura contemporânea, o site MUSA RARA.

Com 4 livros publicados, tenho trafegado com prazer e curiosidade nestes dois mundos: o impresso e o digital. Mas, apesar disso, como boa parte dos presentes aqui hoje, posso dizer que sou um emigrante em um ambiente onde os mais jovens são nativos. E isso, no final das contas, faz muita diferença.

Apesar dessa aparente dicotomia, a meu ver, a primeira coisa que devemos firmar em nosso modo de enxergar o que está acontecendo é que estes mundos não estão mais separados. Vivemos, quer queiramos ou não. Quer saibamos ou não. Quer aceitemos ou não, em uma CIBERCULTURA e urge que a reconheçamos e a entendamos nem que seja um pouco. Ou que façamos o salto histórico que alguns já vem fazendo pelo mundo.

Precisamos fazer um BURACO NO MURO de nossos preconceitos e paradigmas, saltar séculos sem medo. Convido-os a assistir comigo a experiência reveladora feita pelo pesquisador indiano Sugata Mitra.



Que fantástica experiência, não? Ao conhecer o trabalho deste pesquisador sério, fiquei mais otimista ainda com as possibilidades da cibercultura.

Para compreendermos a cultura digital de nossa época é sempre bom relacioná-la com as anteriores. As denominadas de cultura oral, cultura escrita, cultura impressa, cultura de massas, cultura das mídias e, por fim, a cultura digital. Ao lado desta continuidade sequencial de períodos, vistos do ponto de vista histórico, há uma coexistência geradora de hibridismos e convivências culturais, no dizer da professora Lucia Santaella.

Nas sociedades orais, as mensagens discursivas são sempre recebidas no mesmo contexto em que são produzidas.

Após o surgimento da escrita, os textos se separam do contexto vivo em que foram produzidos. É possível ler uma mensagem escrita cinco séculos antes ou redigida a cinco mil quilômetros de distância – o que muitas vezes gera problemas de recepção e de interpretação.

Para vencer essas dificuldades, algumas mensagens foram concebidas para preservar o mesmo sentido, qualquer que seja o contexto de recepção: são as mensagens ‘’universais’’ (ciência, religiões do livro, direitos do homem etc.).

A cibercultura leva a co-presença das mensagens de volta a seu contexto como ocorria nas sociedades orais, mas em outra escala, em uma órbita completamente diferente.
A questão sobre a expansão das novas tecnologias e sua influência na cultura deu as caras no século passado, mas suas exigências se fizeram incontornáveis de alguns anos para cá. O computador e o campo de significações da Internet são todos colocados no mesmo saco, melhor dizendo, na mesma rede. A parte mais popular desse processo é a World Wide Web, o conhecido WWW, que a rigor é apenas a interface gráfica da Internet. É através dela que nos conectamos com os sites, sítios, blogues e demais páginas com o intuito de divulgar, de criar ou apenas de nos relacionarmos.
Aqui abro um parênteses para explicitar este conceito que poderia ser a síntese de nosso diálogo de hoje: CIBERCULTURA.
Para Pierre Lévy, Cibercultura é um neologismo que especifica o conjunto de técnicas (materiais e intelectuais), de práticas, de attitudes, de modos de pensamento e de valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento do ciberespaço.
Ciberespaço, que ele tbém chama de rede, é o novo meio de comunicação que surge da interconexão mundial dos computadores. O termo especifica não apenas a infraestrutura material da comunicação digital, mas tbém o universo oceânico de informações que ela abriga, assim como os seres humanos que navegam e alimentam esse universo.
Voltando a questão da interface nessa confluência de informações em rede, lembremos, Segundo Pierre Lévy, que a noção de interface não deve ser limitada às técnicas de comunicação contemporâneas. Ele lembra que o próprio advento da impressão gerou uma interface padronizada e original com seus cabeçalhos, páginas de títulos, numeração regular e referências cruzadas.
Em última instância eu penso que a própria palavra é uma interface com o plano das ideias, das informações e dos sentimentos e, para discordar de Saussure, não totalmente arbitrária, enquanto signo, como nos mostrou as experiências do psicólogo Wolfgang Köhler registradas em seu livro Psicologia da Forma.
O que dizer, então, da literatura com sua galáxia de sentidos que, no dizer do escritor cearense Carlos Emílio C. Lima, cria “cinemas mentais” em fluxo não linear e em várias dimensões?
Com o advento da linguagem digital, inesperadamente, a escrita impressa e a linguagem habitual do livro, a literária, feita de letras, sintaxe, sintagmas, morfologia e conotações ganhou em importância. Jovens educados e criados em um ambiente predominantemente visual, saturados de imagens e ícones da cultura contemporânea, começaram a se voltar para a linguagem escrita estimulados pelo correio eletrônico, MSNs e outros diálogos entre suas comunidades sociais. Os que chegaram à fase do consumo de informações na última década, por bem ou por mal, estão utilizando da expressão literária, rudimentar ainda (calcada ainda mais em sua função fática do que poética), mas sujeita ao aprimoramento natural determinado pela própria necessidade de se exprimir.
Chegamos, então, a uma palavrinha que está na moda no meio virtual e que se configura como característica essencial dessa nova era, ou da cibercultura: o hipertexto. Blocos de informações conectados por meio de elos ou links, capazes de permitir aos navegadores que se movam livremente aí dentro e que nos colocam diante de uma nova máquina de ler, que faz de cada leitor-navegante um editor em potencial redirecionando os paradigmas que balizavam as antigas formas de produção e recepção de discursos.
O texto, nessa baliza, passa a ser efetivamente uma galáxia de significantes, não uma estrutura de significados. Segundo George Landow, em seu livro Hipertext 2.0, os textos não têm mais início, são irreversíveis e possibilitam acesso por diversas entradas das quais nenhuma poderia ser autoritariamente declarada única, como queria Roland Barthes em suas análises da escritura.
E a pergunta que interessa a nós todos e que não quer calar:
Como formar leitores em uma sociedade que sofreu a mudança drástica da cultura impressa para a digital e do paradigma da leitura para o de navegação. Como a escola pode formar leitores nessa contemporaneidade, quando impera uma cultura na qual os professors aderem como emigrantes, enquanto os alunos são os nativos?
E como fazer desse leitor, que passou a ser chamado de leitor imersivo, típico da cibercultura, um leitor que não é mais um solitário que segue as sequências de linhas, páginas e capítulos até o limite do livro, imaginando ou refletindo, um leitor zapper que ziguezagueia como um pássaro, torná-lo um leitor intérprete e produtor de sentidos?
E como potencializar as possibilidades de interatividade e multilinearidade da internet em favor da apreensão de saberes mais complexos em sociedade de lan house, onde reina o sensorial, o efêmero e a superficialidade dos chats e jogos virtuais?
Em primeiro lugar, penso, que deixando de pensar que tudo é efêmero e superficial na linguagem digital, na internet e na cultura digital. Precisamos suspender o preconceito e imergir no universo dos adolescentes para aprender com eles, compartilhando as várias visões de leituras que já adquirimos.
A postura de aprendiz e a convicção de que nenhuma forma de leitura é superior à outra, pode ser uma boa estratégia para nosotros de outra geração. É justamente na tangência entre as culturas – digital e impressa – que reside a riqueza do momento contemporâneo e é nessa troca que se abrem novas possibilidades de ensino e diálogo.
Não se trata mais de ensinar a ler na concepção clássica, mas de ‘ler’ além da linguagem verbal, a visual, a auditiva, olfativa, gustativa, bem como os gestos, as cores, a moda, o comportamento.
Sabemos que, no sistema eletrônico, imagem, palavra e som são articulados e provocam uma percepção sensorial sinestésica, imediata e móvel. Essa forma de interação distancia-se daquela contemplative, reflexiva para tornar-se dinâmica, com possibilidaes de metamorfoses, desvios, labirintos sem volta, em que a leitura não tem mais um início, meio e fim.
Preparar-se e preparar o outro para viver em tempos de cibercultura é estar aberto para aprender sempre. Para lidar com o conhecimento como algo sempre inacabado e passível de ser compartilhado sem hierarquias. Já não sou mais o sabedor. O conhecimento está dado. As pessoas chegam a ele sozinhas e muitas vezes mais rápido se eu não atrapalhar.
Talvez o que possamos fazer é problematizar um aspecto ou outro. Já que o leitor imersivo atua como editor ao escolher o que quer ler, talvez seja mais importante agora ensinar a ter critérios de escolha de fontes de leitura no mundo virtual.
Por exemplo, nas novas formas de leitura interativa, os blogues são essenciais. Podemos indicar os blogues de escritores, que se preocupam em não usar indiscriminadamente o internetês, e até propõem interatividade na construção de suas narrativas. A popularização dos escritores nos blogs, com sua presença e diálogo que as próprias editoras já recomendam, com conferências virtuais, etc, pode ser capaz de alterar o padrão de consumo intelectual e interferir nas escolhas de livros dos leitores em formação.
Calcula-se que em um ano ou dois a venda de PCs seja superada pela de tablets, formato no qual a interação é explorada ainda mais. Os jornais e revistas impressas praticamente irão desaparecer e migrarão para os tablets que já permitem visualização confortável e bonita e com muito mais atrativos.
Do ponto de vista da língua, observamos que, com a internet, ao contrário do que muitos apregoavam, ocorreu um crescimento da diversidade, com regionalismos, nacionalismos e expressões de minorias. Escreve-se cada vez mais e não é o inglês que domina como poderíamos supor observando um “universo”, que até 2006, era dominado por sistemas operacionais da Microsoft.
No entanto, a língua é um organismo vivo, mutante e, claro, já sofre as contaminações dos novos suportes. Apesar disso, não acredito no que diz o linguista norte-americano Steven Fisher quando afirma que o português brasileiro vai ser extinto em mais ou menos 300 anos. O argumento dele tem uma lógica linguística, a partir do conhecimento que temos da dinâmica de outras línguas e outras análises diacrônicas. Para ele, o português brasileiro não resistirá a influência econômica e cultural do espanhol (afinal, o espanhol já é a segunda língua mais falada no Ocidente) e se transformará em uma espécie de portunhol.
Por outro lado, já flertamos com a Web 3.0, visto que a anterior — a Web 2.0 — banalizou-se como sinônimo de sites e ferramentas interativas que revelaram um leitor ativo na produção e gerenciamento de conteúdos. O resto é nuvem. Ou melhor, está na Nuvem. Ou pior, estamos nas nuvens.
Falamos agora em Webliteratura. A literatura em si já não basta. Estamos, os escritores, imersos e fascinados pelas novas mídias e suas facilidades de distribuição e possibilidades ficcionais. E não há como fugir disso. Mesmo que intuídos em pixels e bits, os deuses continuam “hóspedes fugidios da literatura”. Deixam agora seus rastros em rizomas de links e hipertextos que trafegam em diálogo intersemiótico nos chamados i-Pads, E-readers, E-books e outros écrans mais ordinários.
Muitos dos que se levantam contra a tecnologia, nos alertando de seus perigos, fazem-no de uma forma muito parecida com a que fez Nietzsche ao declarar sua guerra particular ao cristianismo, ou a Deus, e que acabou revelando muito de sua incapacidade de viver sem eles.
O mito de Narciso usado pelo vovô Marshal Macluhan, quando nos falava sobre os meios como extensão do homem, aponta para o entorpecimento e fascínio que nos atingem quando nos deparamos com extensões em qualquer material que não seja nós próprios. E não por acaso a palavra Narciso originou-se da grega narcosis que gerou a palavra narcótico.
É neste estado paradoxal de dopping cibernético que nos pegamos a pensar e a questionar sobre o que está acontecendo em nossos dias. Não é fácil ter clareza e projetar alguma coisa. Mal estamos dando conta do presente. O que revela que estamos, realmente, despreparados para o futuro, qualquer que seja ele. Paradigmas. Velhas chaves para novas fechaduras.
No diálogo publicado recentemente entre Umberto Eco e Jean-Claude Carrière, “Não contem com o fim do livro”, discute-se com propriedade a efemeridade dos suportes duráveis que pode ser justificada pelo fato de a cada instante surgirem novos suportes e aparelhos que exigem um novo tipo de conhecimento para que possamos utilizá-los. É verdade, nós da geração analógica formada com os livros, e entre os livros, não temos fôlego para tanto. Mas, como podemos observar, a nova geração tira isso de letra.
Os dois belos representantes de nossa cultura impressa, colecionadores de pergaminhos e incunábulos, apontam para uma “ansiedade de produção” e para uma proliferação de romances contemporâneos de autores tão efêmeros quanto a tecnologia que deve atender às necessidades de consumo.
Jean-Claude afirma que “às vezes é útil relativizar nossas pretensas proezas técnicas” ao lembrar que os livros de Victor Hugo chegavam mais rapidamente a outros países do que os best-sellers nos dias de hoje. Por outro lado, podemos concluir também que este fato só revela a incompetência das editoras atuais em se abrirem às possibilidades que as novas mídias nos oferecem.
Mas até elas, as editoras lobodinossáuricas, estão se mexendo. No início do ano retrasado, a gigante editorial americana Simon & Schuster ditou novas regras para seus escritores. E quais eram elas? Abrir um blogue. Criar uma página no Facebook. Gerar conteúdo em redes sociais literárias. Interagir. Contaminar-se. Sair dos escritórios empoeirados ou da pretensa redoma criativa. Abrir-se para as novas exigências e imperativos de uma época de cibercultura.
E no sétimo dia, Deus observando novamente sua criação rejubilar-se-á. No oitavo, o Google, possivelmente, chegará e se apoderará de tudo.


(Confira, também, a imperdível palestra de Sugata Mitra no Brasil: http://www.youtube.com/watch?v=BBzDOS5UrG0).


(Palestra feita para alguns professores da Coordenadoria Educacional da BSGI, em 15/04/2012) 

Um comentário:

  1. Belo texto, parabéns, vou replicá-lo na minha rede. Abraço.

    ResponderExcluir