24 janeiro 2008

Poemas dispersos

um poema de amor
poderia assim começar:
amo porque pressinto.

***

o que dizes anoto
sem nomear
já não faz diferença
se foi eu
ou você.

***

ainda sofro de
metáforas
um preconceito
poético
do real

***

a arte tropeçou numa pedra brilhante...

2 comentários:

  1. Regina Kraussjaneiro 25, 2008

    Edson.
    Ótimo poema.Fico feliz por encontrar tua poesia ainda que seja aqui na "vitualidade".
    Obrigada.

    ResponderExcluir
  2. Olá Edson, gostei do poema que deliciosamente "sofre de metáforas" - hehehe" Abraços.

    ResponderExcluir