08 setembro 2007

A vasta nuvem



há muitas espécies de flores
árvores, ervas em série e tamanhos
no planeta inundam todas as cores

por mais que haja perdas e ganhos
o abraço do céu se ergue no mundo
e a chuva deságua por sobre os rebanhos

por mais que te chames Raimundo
comungas da mesma aflição
enquanto alguns param, outros estão no gerúndio

às vezes tu dizes o sim, outras preferes o não
mas como tudo é tão vário
bebemos da mesma água e clarão

talvez seja mesmo tão raro
encontrar rimas em tamanha profusão
ou quem sabe seja mesmo a única solução.



Ilustração de Jesús Torrealba

2 comentários:

  1. Cláudio Portellasetembro 08, 2007

    Edson,

    seus poemas estão cada vez mais fortes.

    Abraço,
    Cláudio Portella

    ResponderExcluir
  2. fiquei espantado com o leminski
    parece uma cachoeira
    como fala bem !

    "enquanto alguns param, outros estão no gerúndio"

    muito bom
    estou parando, por aqui

    abraços,
    eduardo siqueira

    ResponderExcluir